quarta-feira, 12 de setembro de 2012

EDIÇÃO 40







JOEL PACHECO E SEUS ANJOS

     O arquiteto, fotógrafo e programador visual Joel Pacheco convida para sua mais nova exposição fotográfica, “Anjos dos Açores e de Florianópolis”, de 10 a 30 de setembro às 10hs, no Shopping Iguatemi – Piso L2 ­ (Corredor de acesso ao fraldário) – Bairro Santa Mônica - Florianópolis. 
Na longa caminhada da humanidade para sua evolução, a presença dos anjos foi materializada em grande parte nos cenários da arquitetura religiosa.
Esta exposição traz à luz a beleza e a inocência dos anjos captados num olhar atento para algumas imagens fotografadas em ilhas como: Corvo, Santa Maria, Graciosa e Pico; integrantes do arquipélago açoriano em Portugal e anjos da Ilha de Santa Catarina em Florianópolis.
A religiosidade nos Açores é intensa desde o início da povoação. O território é fortemente marcado pela arquitetura religiosa que exerceu desde cedo o papel de proteção da população, além do isolamento caracterizado pelas condições geográficas através do mar que o rodeia e pelas constantes catástrofes como terremotos e erupções vulcânicas.
A presença européia no litoral catarinense data do início do século XVI, quando navegadores de diversas procedências ancoravam em suas duas baías. Um pequeno povoamento começa a partir de 1530, com a fundação das primeiras vilas da costa como: Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis).
Florianópolis recebeu também forte influência religiosa portuguesa com a chegada na região, de cerca de seis mil colonizadores açorianos e meia centena de madeirenses, entre 1748 e 1756.
Ao pesquisar sobre a arquitetura nos Açores, o autor se deparou com as feições carismáticas dos anjos nos diversos edifícios religiosos, o que lhe tocou e remeteu as lembranças do seu anjo da guarda de sua infância.
A beleza dos anjos se mistura a todas as áreas místicas e esotéricas, culturais e religiosas. Os anjos são classificados popularmente como vários tipos, tais  como: Anjo da guarda, Do amor, Curador, Salvador, Guia espiritual, Da coincidência, Co piloto, Incentivador, Da felicidade e prosperidade, Mensageiro, etc..
Tal plasticidade foi o que o autor tentou capturar através das lentes da sua máquina fotográfica, quando impressionado com as diversas expressões e riquezas de detalhes produzidas por verdadeiras obras de arte que transmitiam paz, delicadeza e pureza.
 “As minhas viagens são sempre cheias de surpresas, e eu tentei capturar esses momentos preciosos com devoção e com o olhar ingênuo de uma criança”, conclui Joel Pacheco.

Sobre o autor 
     Nascido em Florianópolis, Joel Pacheco é arquiteto, fotógrafo, programador visual e pesquisador de temas como paisagem, etnografia e cultura popular, em 2004, lançou o livro “Florianópolis a 10ª Ilha dos Açores – O Encontro das Origens” (atualmente na 3ª edição).  
O livro "A Canoa baleeira dos Açores e da Ilha de Santa Catarina" foi lançado em Dezembro de 2009 em Florianópolis e em Julho/Agosto de 2010 nas Ilhas do Faial e do Pico nos Açores/Portugal. Participou também como autor e co-autor de projetos e pesquisas vinculadas ao patrimônio cultural em Florianópolis e Açores/Portugal e ainda de diversos projetos gráficos: “Transporte Coletivo em Florianópolis” (livro); “Florianópolis Memória Urbana” (livro); “Atlas do Município de Florianópolis” (livro); “Fortalezas em Santa Catarina” (obra em CD rom); “Guia Digital, Caminhos e Trilhas de Florianópolis” (livro e CD rom); “Fortes da Cidade”; “Roteiros do Ambiente”; “Circuito Cultural de Florianópolis”; “Construir Cultura” (livro). Realizou várias exposições fotográficas e publicou diversas séries de imagens em livros, revistas, cartões postais e telefônicos no Brasil, Portugal e Canadá.

Ficha técnica
     A exposição é composta por 11 fotografias coloridas com tamanho 30x45 centímetros montadas sobre molduras douradas e vidro de 50x65 centímetros, sendo 5 imagens dos Açores e 6 imagens de Florianópolis e complementada por um banner de 50x120 centímetros de apresentação, contendo informações sobre a exposição.
    
OBS. As obras serão comercializadas com moldura ao preço de R$450,00 cada unidade.

Contatos:
 (48) 9971-4143


x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x


A FLOR QUE ROÇA A PELE

contrai nervos
explode suores
versos brotam oscilam
entre o retrato e o sonho
infindos vestidos de infinito
à janela um luar enorme
céu pontilhado de estrelas
caem prata e úmidos
sobre a derme
que vibra intensa
libertando-se em poesia.

(Soninha Porto in Poemas à flor da pele, vol. 5, Ed. Somar, 2012)


x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x



FUNCINE FAZ 23 ANOS  E LANÇA 4 FILMES


            O Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis (Funcine) comemora 23 anos dia 14 de setembro, sexta-feira, às 20 horas, no Teatro da Ubro, em Florianópolis, com o lançamento de quatro filmes. Além da sessão de pré-estreias, serão abertas as inscrições para o concurso de vinhetas da entidade.
            Vão ser lançados os filmes Documentário, de Rafael Schlichting, Vento Sul, de Renan Cabral Fontana, O Travesseiro de Penas, de Jefferson Bittencourt, e Eles foram por ali, de Gabriel Bueno Almeida. Será exibido também Linha do Mar, de Felipe Vernizzi, que teve pré-estreia no dia 5 de setembro. Todos foram premiados e realizados com recursos do edital Armando Carreirão, do Funcine..
            Documentário apresenta depoimentos e encenações sobre o processo estético do diretor de cinema Rogério Sganzerla, O Travesseiro de Penas é sobre Alicia e Jordan, um casamento, memórias e uma doença desconhecida, Eles foram por ali faz uma breve imersão na cultura do graffiti de Florianópolis, e Vento Sul trata da revisão irônica de uma mulher sobre sua vida como bruxa. Linha do Mar fala de um personagem que foge durante a noite para dormir na areia da praia.
            O concurso da vinheta da entidade vai premiar o vencedor com R$ 3 mil. Os concorrentes devem entregar três versões, com 30, 15 e 5 segundos de duração. O vídeo será usado como imagem institucional nos eventos patrocinados pelo Funcine. Mais informações poderão ser obtidas em no sitewww.pmf.sc.gov.br/entidades/funcine a partir do dia 14 de setembro.
            Segundo Cláudia Cárdenas, presidente do Funcine, a entidade está preparando um boxe com 20 filmes realizados no período de 2004 a 2009, premiados pelo edital Armando Carreirão. Serão três DVDs, com tiragem de mil exemplares, e distribuição para as escolas públicas municipais de Florianópolis e cineclubes e pontos de cultura de Santa Catarina.
            O edital de cinema do Funcine, que premia anualmente oito projetos de curtas com um valor total de R$ 250 mil, é a principal ação da entidade de fomento ao cinema. Entre os curtas financiados pelo prêmio, estão Qual queijo você quer, de Cíntia Domit Bittar, que foi selecionado para 28 festivais, acumula 12 Prêmios e faz atualmente uma carreira internacional, e O Gigante, de Igor Pitta, recentemente concluído e ainda inédito, com seleção confirmada para o Festival de Málaga (Espanha), Festival Lucas (Alemanha), Festival de Cine de Bogotá (Colômbia) e para quatro festivais brasileiros, entre eles o Festival de Brasília.

  

OS FILMES

“documentário”, de Rafael Favareto Schlichting (Documentário/20’/2012/Joaçaba/SC, São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ)
Sinopse: Documentário de depoimentos e encenações sobre o processo estético do diretor de cinema Rogério Sganzerla. Com Albino Sganzerla, Angelo Sganzerla, Zenaide Sganzerla Filha, Zenaide Sganzerla, Gilberto Gil, Carlos Ebert, Arrigo Barnabé, Jorge Mautner, Guilherme de Almeida Prado, Péricles Cavalcanti (entrevistados) e Gabrielle Lopes, Theo Castilho, Renata Fasanella, Alexandro Marques, Guilherme Baumgart, Ezequiel Machado, Dan Rossetto, Julio Martí, Breno Cavalcanti, Ingrid Lima e Janete Lindani (atores).

“O Travesseiro de Penas”, de  Jefferson Bittencourt dos Santos (Ficção/20'/2012/Florianópolis/SC)
Sinopse: Alicia e Jordan se casam e descobrem uma felicidade que ainda não conheciam. Mas apenas três meses depois, ela desenvolve uma desconhecida doença. Neste lento processo, misturam-se as memórias de Alicia com os tormentos de Jordan por se sentir impotente frente àquela situação. E um desfecho inesperado ainda está para acontecer

“Eles foram por ali”, de Gabriel Bueno Almeida (Documentário/23’/2012/Florianópolis/SC)
Na beira da praia ou numa viela entre prédios. À luz do dia – exposto aos olhares curiosos – ou de madrugada, instigado pela contraversão e afirmando a sua ilegalidade. Este documentário procura proporcionar ao espectador uma breve imersão na cultura do graffiti de Florianópolis, a partir de conversas e “rolês” com os praticantes dessa subcultura.


“Vento Sul ”, de Renan Cabral Fontana (Ficção/16’/2012/Florianópolis/SC)
Uma velha se joga do penhasco e vê a vida passar diante de seus olhos. De um parto macabro até o conflito com a comunidade na vida adulta, ela faz uma revisão irônica de sua vida como bruxa ilhoa.


“Linha do Mar”, direção de  Felipe Vernizzi
(Ficção/20’/2012/Florianópolis) (estou aguardando nova sinopse)
André é uma criança de seis anos de idade que mora próximo ao mar. Sonâmbulo, todas as noites ele foge em direção a praia, onde se deita na areia. Julia, a mãe de André, passa  redobrar a atenção com ele e levando ela criar uma estratégia para perceber as fugas do filho. Durante o sono do filho ela amarra um barbante entre os dois, percebendo assim a sua saída e lhe dando proteção. A história da um salto de quase 30 anos, André agora vive em uma metrópole, trabalha em uma grande empresa e tem uma família. Apesar de não ser mais sonâmbulo, ele tem sonhos frequentes com o mar qual passou sua infância, e esses sonhos o perturbam como se eles apontassem um vínculo importante perdido em sua vida. André decide ir à praia de sua infância com a família. 

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x


CONFRARIA DO POEMA-pn

A cada dia
mais nos conhecemos
a cada instante
mais nos adentramos.

O gozo é mais pleno
os corpos são mais um
os desejos mais perfeitos
as aventuras mais ousadas.

Somos mais nós
a cada dia:
o amor e a posse
a doação e o egoísmo
o orgasmo e a morte.

(Dia a dia, Pinheiro Neto/ Poemas reunidos, p. 183, 2012)


Um comentário:

  1. Agradeço a lembrança do meu poema a flor que roça a pele, é estimulante ver que chega num porto tão seguro e inspirador, a página leva a voos poéticos, tão bem cuidada e com tanta poesia vertendo da boca do poeta. Um abraço carinhoso e amigo.

    ResponderExcluir